Hidden Figures

Ontem assisti um dos filmes que concorreu e ganhou uma das estatuetas do Oscar 2017. Enredo interessante que conta uma algumas da façanhas de três mulheres negras dentro da NASA na “corrida para o espaço” entre Rússia e EUA. Acredito que o filme embora baseado em fatos reais, traz sua pitada “hollywoodiana” como por exemplo uma versão romantizada e até engraçada do preconceito vivido da época.

Interessante pensar que de uma forma bem sutil o diretor, conseguiu mostrar algumas das formas de preconceito dos EUA. Como a segregação em tudo entre negros e brancos. Os banheiros, bibliotecas, escolas, ambiente de trabalho, cafeteiras..praticamente tudo era separado entre brancos e “colored”. Os banheiros de negros por exemplo, eram “colored bathrooms” enquanto os banheiros de brancos eram apenas “toillet”, deixando claro a hostilidade do tratamento. É aí que entra uma das cenas, pelo que percebi da plateia, mais engraçadas, a protagonista quando tinha suas necessidades corria 800m de um prédio para outro porque não tinha banheiro para negras no prédio que ela trabalhava. A plateia ria porque as cenas traziam uma mulher negra, atolada de papéis, em seu salto alto correndo desesperadamente de uma forma desengonçada para aliviar suas necessidades mais básicas. Acho que ninguém via o desespero da situação.

Alguns pontos que gostei bastante do filme, primeiro eram mulheres, segundo muito inteligentes e independentes. Não era um filme de sofrimento extremo, pelo contrário, situações como aquela são vividas até hoje, mas de uma forma implícita. A submissão que aquelas mulheres tinham que passar por serem negras e MULHERES são coisas que a gente vê atualmente. Situações que eu mesmo vivi e sei que vou passar por muitas ainda, como trabalhar e não ser reconhecida. Deixar que homens em sua posição de trabalho superior levem crédito pelo seu esforço, não que eles sejam “melhores” que você, porque muitas vezes nem são, apenas porque eles são homens covardes demais para assumir que uma mulher fez o trabalho melhor que eles.

A beleza da história na minha opinião é ver que apesar de todos os obstáculos, em momento nenhum do filme elas desistiram ou permitiram que alguém as fizessem desistir. Barreiras como o sexismo, racismo não foram capaz de segurar seus sonhos. Apaixonante mesmo era ver que seus sonhos não se resumiam a casamentos, relacionamentos, elas queriam e foram mais do que disseram que ela poderiam ser, tornaram-se ESTRELAS ALÉM DO SEU TEMPO.

 

 

Anúncios

Sobre annateixxeira

Alter ego de uma recém-casada [riscar] , [riscar] empregada e futura formanda. Criei um blog para contar minhas histórias de estudante, casada e futura formanda, agora escrevo minhas histórias de separada e graduada.
Nota | Esta entrada foi publicada em Nova fase, novas histórias. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s