Ponto e vírgula

Eu te ofereço um ponto e vírgula..

Para todas as vezes que alguém gritou contigo.

Para todos os dias que o sol insistiu em nascer.

Para todas as horas em que te humilharam.

Para todos os momentos em que a dor foi mais forte..

Eu te ofereço um ponto e vírgula..

Para todas as vezes em que as mentiras te magoaram.

Para todas vezes em que você acho que estava errado(a)

Para todas as pessoas que te machucaram.

Eu te ofereço um ponto e vírgula..

 

(….)

Uma pausa máxima, o encerramento de um ciclo, o fim de um período. Findar tudo aquilo que te não te edifica, que diminui quem só deveria crescer.

Acrescido de uma inflexão, uma oportunidade de mudar de rumo, de ver a vida com outros olhos, de continuar teu caminho.

Eu te ofereço um ponto e vírgula.

 

story-0364016

 

 

Aside | Publicado em por | Publicar um comentário

Hidden Figures

Ontem assisti um dos filmes que concorreu e ganhou uma das estatuetas do Oscar 2017. Enredo interessante que conta uma algumas da façanhas de três mulheres negras dentro da NASA na “corrida para o espaço” entre Rússia e EUA. Acredito que o filme embora baseado em fatos reais, traz sua pitada “hollywoodiana” como por exemplo uma versão romantizada e até engraçada do preconceito vivido da época.

Interessante pensar que de uma forma bem sutil o diretor, conseguiu mostrar algumas das formas de preconceito dos EUA. Como a segregação em tudo entre negros e brancos. Os banheiros, bibliotecas, escolas, ambiente de trabalho, cafeteiras..praticamente tudo era separado entre brancos e “colored”. Os banheiros de negros por exemplo, eram “colored bathrooms” enquanto os banheiros de brancos eram apenas “toillet”, deixando claro a hostilidade do tratamento. É aí que entra uma das cenas, pelo que percebi da plateia, mais engraçadas, a protagonista quando tinha suas necessidades corria 800m de um prédio para outro porque não tinha banheiro para negras no prédio que ela trabalhava. A plateia ria porque as cenas traziam uma mulher negra, atolada de papéis, em seu salto alto correndo desesperadamente de uma forma desengonçada para aliviar suas necessidades mais básicas. Acho que ninguém via o desespero da situação.

Alguns pontos que gostei bastante do filme, primeiro eram mulheres, segundo muito inteligentes e independentes. Não era um filme de sofrimento extremo, pelo contrário, situações como aquela são vividas até hoje, mas de uma forma implícita. A submissão que aquelas mulheres tinham que passar por serem negras e MULHERES são coisas que a gente vê atualmente. Situações que eu mesmo vivi e sei que vou passar por muitas ainda, como trabalhar e não ser reconhecida. Deixar que homens em sua posição de trabalho superior levem crédito pelo seu esforço, não que eles sejam “melhores” que você, porque muitas vezes nem são, apenas porque eles são homens covardes demais para assumir que uma mulher fez o trabalho melhor que eles.

A beleza da história na minha opinião é ver que apesar de todos os obstáculos, em momento nenhum do filme elas desistiram ou permitiram que alguém as fizessem desistir. Barreiras como o sexismo, racismo não foram capaz de segurar seus sonhos. Apaixonante mesmo era ver que seus sonhos não se resumiam a casamentos, relacionamentos, elas queriam e foram mais do que disseram que ela poderiam ser, tornaram-se ESTRELAS ALÉM DO SEU TEMPO.

 

 

Aside | Publicado em por | Publicar um comentário

Feliz aniversário para meu grande amigo.

cobra
Pois sim…hj é seu aniversário né? Deveria ter ligado? Talvez, mas eu iria gaguejar e não falaria nada do que quero. Deveria ter mandado uma msg no Facebook? Talvez, mas isso eu faço com colegas o que não é seu caso. Deveria ter feito um textão e postado uma foto no Instagram? Talvez, mas eu lembrei que nunca tiramos uma foto decente. Deveria ter feito qualquer outra coisa pra comemorar esse dia? Talvez, mas seria hipocrisia pq no fim eu ODEIO aniversários, aceito pq sou meio hipócrita a etiqueta social diz que devemos.
E essa mesma etiqueta social me obriga a mandar uma mensagem de aniversário desejando saúde, sucesso, dinheiro, mulheres, sexo, drogas, um iate, uma casa na praia, mulheres, amor, dinheiro, mulheres e sexo. Sou obrigada a registrar todo meu carinho, admiração ,raiva (sometimes) e meus sinceros agradecimentos por tudo e por nada ao mesmo tempo. Aí vc vê o quanto essa regra social é injusta por me obrigar a falar tudo isso só nesse dia, quando na verdade eu deveria dizer todos os dias…
Ah, supostamente no final eu deveria dizer que gosto de ti, mas seria mentira pq tenho problemas amorosos, corroborados por uma psicóloga. Vou te deixar então com essa mensagem cheia de erros de português e o emoticon que mais gosto.
egipcia
Aside | Publicado em por | Publicar um comentário

Rebecca

Rebecca era uma menina doce, meiga, de jeito modesto, sorriso largo que deixa minhas pernas bambas em frações de segundos. Engana-se porém quem pensa que ela era inocente. Se tem uma coisa que não a caracterizava era a inocência. A menina tinha um quê de pimenta dedo-de-moça, dando ardência mas sem tirar o fôlego todo. E assim tudo iniciou,  gotas de interesse que se transformaram em rios de paixão e desejo.

Um começo que não sei onde começou, não lembro se gostei de ti assim que te conheci ou quando como teu professor, conversei contigo e obtive a promessa de não se deixar levar pelas drogas. Acho que desde ali já te amava. Eu, fraco e covarde não conseguia me desprender de ti, do teu sorriso largo, das tuas coxas roliças e seios fartos que tanto davam asas para minha imaginação. De repente começamos a compartilhar coisas do nosso íntimo, segredos, corpos, palavras e desejos. Eu já frustrado pelo meu relacionamento escolhi me jogar de cabeça no teu jogo. E assim o fiz sem nem pestanejar.

Rebecca nossa história deveria ser passageira, eu não tava preparado para te oferecer nada eu nunca tive preparado para oferecer nada pra ninguém. Mas eu precisava de ti para aguentar minhas dores, eu preciso das pessoas para sobreviver ao caos que é minha mente. As coisas aconteceram tão rápido, um dia eu tava ali te contando coisas sobre a escola e te dizendo para ser boa aluna e dão dar pesca pra ninguém, no outro eu via teu corpo nu através de uma tela e o desejava tanto pra mim. Queria te proteger dos teus horrores e de todos que te fizeram mal, queria ser teu porto seguro pra sempre e te ajudar.

Mas de repente as coisas desandaram Rebecca. E eu não entendo o porquê se eu te dei todas as condições de me contar, de se abrir comigo. Porque Rebecca? No fundo eu sabia que tudo era passageiro, mas imaginava que fosse uma viagem de anos e não de meses. Contigo eu fui do céu ao inferno em pouco tempo, tua ardência de pimenta passou a me deixar sem fôlego, sem chão, sem coração, sem nada. Aos poucos toda minha desconfiança passou a ser certeza e porque Rebecca? Porque se sempre te dei condição pra falar comigo, se sempre fui teu porto seguro, porque?  Nos teus olhos eu vejo a dor e as dúvidas que pairam tua mente, mas na tua boca eu não escuto o som das palavras pedindo ajuda.

Quanta dor tu me causou Rebecca, quanto amor e sentimento nutri por ti e tudo em vão. Será que teus sentimentos comigo nunca foram verdade? Será que fui o estopim, o toque necessário para que tu se descobrisse na vida? Tuas palavras e gestos ecoam na minha cabeça até hoje. Tudo que quis foi te proteger do mundo e me esqueci de me proteger de ti. Entreguei meu coração e meu corpo, amei-te com toda a força que pude. A falta que tu faz na minha vida não tem comparação minha menina, por mais que deseje que tu volte pra mim a certeza de que isso nunca vai acontecer entristece meu coração.

Porém te prometo Rebecca, amizade eterna, juro estar contigo nos teus piores momentos como bom amigo que sou. Não me importo se os outros não entendem nossa relação “estranha”. A gente entende e se complementa, comigo teus segredos estarão guardados pra sempre e tu sabes porque? Porque te amo Rebecca!

 

Aside | Publicado em por | Publicar um comentário

Não me ensinaram(ainda)…

Dia desse eu vi uma postagem no Facebook muito interessante sobre a maternidade, sobre todo o romantismo criado para esse momento. Infelizmente não tive a oportunidade de ser mãe ainda, mas já acompanhei diversas histórias de dificuldades de amamentação, adaptação. Então eu me dei conta da quantidade de coisas que não fui preparada para viver: o casamento, relacionamentos frustrados, decepções, sexo, amizades interesseiras, empregos “moedores” de carne, baixo estima, etc.

Pensava que o casamento seria fácil, afinal eu conhecia aquele ser por quase 7 anos o que poderia me surpreender? Inocente fui em seguir essa linha de raciocínio porque o que mais tive nesse relacionamento foi surpresas. Ninguém me ensinou a lidar com a preguiça dele, com as paixões juvenis, com o egoísmo e a teimosia em focar só pra si um relacionamento. Não desenvolveram minha capacidade de dar a volta por cima toda vez que as paixões dele minavam minha auto estima e meu coração. Revirando esse lixo eu percebi que desde 2012 eu lutava em vão da situação em que estava. Sempre batalhando com inimigo quase invisíveis que ficavam na cabeça dele e entre 0 e 1 das máquinas. Entre tantas que já acompanhei e acompanho até hoje.

No sexo não me mostraram que me tocar seria fonte de prazer, aliás nem me contaram que fazer sexo era bom ou ruim. Nunca falaram nada sobre! Mas o sexo era bom, ele É bom, quando feito com amor, com carinho , cumplicidade de toques, bocas. Transar por transar nunca é bom, amar alguém é.

E como lidar com aquela amizade que parece que quer tua felicidade mas só se for menor do que a própria. Como lidar com aquelas pessoas que fazem questão de aparentar 100% de felicidade mas nas esquinas da vida choram? Não me ensinaram a me defender, apenas a detectar e me afastar. Minha mãe sempre dizia: reza um Credo nas costas da pessoa que dá certo! Cansei dessas amizades que não me agregam, que me sugam, que querem construir a felicidade em cima da tua desgraça.

E assim sigo sem saber muita coisa, sem saber como lidar com meus sentimentos que vem e vão sem me avisar. Sem entender quase nada da vida, nem ter respostas para muita das minhas questões.Deveria ficar triste com isso? Não! Se o futuro é desconhecido e impreciso, então é pra lá que eu vou.

Aside | Publicado em por | Publicar um comentário